Guatemala 2016 Portugués

Encontro Continental Somos uma Abya Yala.

Jovens Tecendo Vida e Unidade Popular na Nossa América.

Mataquescuintla , Departamento de Jalapa, Guatemala,

29 de Fevereiro à 6 de Março de 2016

  1. SOBRE O ENCONTRO CONTINENTAL

Nossa Abya Yala°°, nosso continente da esperança, de terra madura e fértil, iniciou o século XXI com a consolidação política de movimentos sociais e populares que conduziram à chegada de governos progressistas e de esquerda na América Central e América do Sul assegurando o giro epistemológico e o paradigma civilizatório que começou a existir nas ideologias nascidas no sul, esperança em movimento. A luta global contra o neoliberalismo que toma cor e sabor em nossas terras libertárias se consolida em meio à evidente crise simbólica e representativa do sistema capitalista a nível mundial e como jovens vimos sendo protagonistas destas mudanças avançando na construção de olhares críticos aos sistemas políticos hegemônicos, aos que vêm defendendo mudanças e construindo alternativas de poder popular.

Superando olhares únicos sobre o quê fazer? e o como fazer? no continente como atores ativos na transformação de nossas realidades nos irmanamos em múltiplas lutas e reivindicações que nos fazem construir movimentos sociais amplos e diversos que confluem na defesa da Mãe Terra, a promoção e defesa de autonomias territoriais e o exercício da soberania política desde a afirmação de direitos humanos e direitos dos povos, levando a solidaridade como aste e o olhar de integração continental como estandarte.

Em Mataquescuintla, Guatemala, em março de 2016 sonhamos encontrar-nos como irmãos e irmãs, jovens delegados e delegadas dos 35 países de Nossa América (Recordemos a Jose Martí) e avançar e consolidar a construção de um movimento social continental que permita responder à ameaça dos senhores da guerra e seu sistema econômico e ideológico e pôr em evidência os desafíos que temos como povos para avançar até o reencontro e defesa da natureza, a promoção do Bom Viver e a afirmação da autonomia e a soberania continental popular para a vida.

Por sua parte é a oportunidade para consolidar a rede de Somos Uma América Abya Yala como plataforma continental de comunicações que vêm consolidando-se desde 2014 em Sanare Venezuela (onde alguns de nós nos encontramos por vez primeira Enraizando Resistencia y Sembrando Soberanía) construindo olhares críticos de nossas realidades como povos, construindo contra-informação e gerando redes de confiança e de trabalho como imã(o)s.

Evocamos para nosso Encontro, como na V Cumbre continental de los Pueblos del Abya Yala, os povos indígenas e originários do continente como luz para nosso caminho comum, contaram como as aves sagradas de nossos territórios empreenderam voo para estarem juntas desde o sul com o Condor, e o norte com a Águia para chegar à terra do Quetzal no centro de nosso continente. Queremos ser testemunhas e potencializar esse encontro místico.

  1. SOBRE A CONVOCATÓRIA E A AUTOGESTÃO

Baseados na capacidade de autonomia como povos, as organizações convocantes nos comprometemos a cubrir a estadia dos participantes, transporte da ciudade de Guatemala a Santa Ana e vice-versa, alimentação, logística e lugar de hospedagem na Guatemala durante os dias do Encontro, esperando a resposta auto-gestionada de jovens líderes dos 35 países de nossa América que chegarão por seus própios meios ao “lugar ou país das muitas árvores”, Guatemala.

A primeira fase da convocatória consiste na inscrição via web e correio electrônico no Encontro Continental. Durante 3 meses receberemos inscrições d@s possíveis participantes com uma carta de intenção, resenha de seu processo organizativo e a forma de participação na construção conjunta do encontro.

Durante os três meses de recepção de solicitações iremos avaliar e revisar se são suficientemente amplas para que recolham jovens dos 35 países de nossa Abya Yala. Se não buscaremos consolidar os contatos para assegurar a participação de pelo menos um delegado por país. A seleção d@s participantes por parte da equipe de organizações convocantes se fará de acordo à pertinência e representatividade em cada país no marco da realidade social do continente. Por exemplo a maior quantidade de população ou diversidade de lutas por país pode chegar a imputar maior número de participantes.

Embora buscaremos e promoveremos que tod@s @s participantes cheguen ao encontro com recursos próprios, avaliaremos em alguns casos contribuições parciais ou subsídios para a viagem de acordo às realidades dos países ou as condições das organizacões. Especialmente pensamos esta posibilidade para @s delegad@s do caribe ou da América do Sul. Por sua parte acreditamos que organizações com capacidade ampla de gestão ou de recursos econômicos podem chegar a financiar a outras organizações irmãs no continente.

Do mesmo modo partimos dos princípios de fraternidade e compromisso d@s participantes com a auto-gestão, desenvolvimento temático e político do Encontro e a capacidade de assumir funções ativas na preparação e metodologia do mesmo.

O encontro terá um máximo de 150 participantes do continente adicional a equipe dinamizadora e os participantes de Guatemala.

Como inscrever-se

  • Completar o formulário no link :http://www.123contactform.com/form-1597402/Formulario-Encuentro-Guatemala-2016.
  • Enviar para nosso e-mailsomosunaamerica@gmail.com um máximo de 500 palavras sobre suas motivações e contribuições concretas ao encontro continental incluindo o eixo temático que irá desenvolver e a forma de apresentação no encontro de acordo à metodologia proposta.
  • Estar disponível para promover uma comunicação ativa por via de meios electrônicos para ir construindo a agenda do encontro e sua possível participação.
  1. SOBRE OS EIXOS TEMÁTICOS E A AGENDA DO ENCONTRO

DIA 1

Análise de Conjuntura Continental

Percurso pelas realidades de cada país e conexão do local, ao nacional, regional e global.

Cada participante preparará sua apresentação incluindo material multimídia e terá 20 minutos para expor uma aproximação à conjuntura de cada país para depois fazer análise conjunta de quais são os temas-chave para entender a realidade continental desde uma perspectiva generacional que inclua nossos olhares como jovens.

DIA 2

Mega-projectos, Extrativismos, Militarização  X Autonomias Territoriais e Resistencias

Diante de nossa realidade comúm que mundo sonhamos?

Percorreremos as análises e propostas do dia anterior e se contrastarão com experiências concretas por país e representativas que nos permitam ver em perspectiva  o modelo de despojo associado ao saque e o extrativismo e suas expressões de controle da população por via violenta, e em contraposição os processos contra hegemônicos das comunidades organizadas e movimentos sociais.

Por sua parte queremos avançar em uma primeira discussão que permita ver os avanços e desafios dos governos progressistas e de esquerda em nosso continente e contrastar com o sonho de pátria-mãe grande que questione profundamente o capitalismo, e seus valores e práticas cotidianas.

DIA 3

Experiências contra-hegemônicas ao Capitalismo. Como povos vamos caminhando na esperança.

Apresentação das lutas e caminho percorrido na resistência. Cada participante apresentará sua luta e a de seus povos utilizando ferramentas como multimídia ye elementos gráficos para poder apreciar o que  caminhamos e a esperança de nossos povos!!! Sugerimos que cada participante leve publicações, revistas, vídeos, música, cartilhas e outros elementos para compartilhar e ajudar a dimensionar e socializar seu trabalho.

DIA 4

Comunicações, Arte, Música e Cultura para a Revolução.

Serão apresentadas experiências que da lenguagem da arte e às comunicações permitam fazer resistência e convocar aos nossos povos para a ação. Nossa batalha de ideais passa pela reafirmação de nossa identidade como povos. Cada participante preparará uma mostra gastronômica e artística para introduzir em nossas realidades culturais como Abya Yala. É importante contar com um material multimídia que nos permita ver em perspectiva todo o que não podemos levar à Guatemala. Cada participante levará para compartir doces, alimentos, jogos, experiências, contos, poesias, música ou o que considere pertinente para desenvolver o eixo temático.

DIA 5

Concentraremo-nos em desenvolver propostas de trabalho conjunto para o futuro, nascidas dos territórios da esperança e em uma saída e trabalho com comunidades Santa Ana, Departamento de Petén Guatemala.

  1. SOBRE A METODOLOGIA

Como equipe dinamizadora propomos 6 apostas para a construção conjunta do Encontro Continental Somos Uma Abya Yala Jovens Tecendo Vida e Unidade popular em Nossa América.

  • O Encontro deve incluir propostas de intercâmbio não convencionais e alternativas que integrem: a música, o teatro, o jogo, a multimídia e a diversidade de nossa Abya Yala com participação ativa de grupos culturais de Guatemala e propostas preparadas pel@s participantes para o desenvolvimento de cada eixo temático que permita construir a essência geracional de jovens tecendo esperança e resistência em nossa América.
  • A metodologia inclui saídas para vivenciar a realidade guatemalteca e conhecer e incidir na medida do possível na realidade local de algum processo comunitário.
  • Buscaremos espaços de mística e ritual coletivo, assim como percursos e espaços de conversas informais para nos conhecermos como participantes. Receberemos propostas dos participantes.
  • Desde o primeiro dia do Encontro se delegará um grupo de relator@s que cada manhã fará um resumo, conclusões e propostas da jornada de trabalho desenvolvida o dia anterior.
  • Buscaremos um nível alto de auto-gestão como forma de entender que esta forma de trabalho leva en si mesma nosso sonho de futuro.
  • As sessões de trabalho incluirão material multimídia dos processos e realidades de nossa Abya Yala que irão preparar @s participantes assim como equipe dinamizadora garantiremos estar preparados com bons equipamentos de comunicação, PCS, Vídeo Bean, Audio.

Organizam

Somos una América-Abya Yala

Directorio Popular (Guatemala)

Movimiento Victoriano Lorenzo (Panamá)

AJODER (Guatemala)

Colectivo Agrario Abya Yala (Colombia)

SoaWatch Observatorio para el cierre de la Escuela de las Américas(Movimento continental com presença no Sul, centro e América do Norte)

°° Abya Yala ou “terra madura” é a forma como a etnia colombo-panamenha Kuna, entre outras nações e povos, conhecia e conhece os territórios andinos e caribenhos de nosso continente. Com a chegada das caravelas, crucifixos e espadas, Abya Yala foi saqueada, suas mulheres violadas e seus povos explorados. Por estes “favores” recibidos, a mãe Espanha decidiu chamá-la América, em honra a quem “descubriu” que não havia chegado nas Índias.

Desde então fomos americanos, até os que se representam pela água vivaz do Norte decidiram que só eles mesmos podiam ser América. Abya Yala apenas resultava ser uma sub América, uma América de segunda classe. Não lhes bastou o saque, o extermínio e a exploração, também quiseram arrebatar nossa identidade.

É assim que meio milênio depois, Abya Yala não é somente a terra diversa e fértil que foi sempre, agora representa o sonho de um continente soberano, livre do domínio extrangeiro; o sonho em que Abya Yala volte a ser nossa e dela se alimentem suas filhas e filhos. É o sonho de voltar a encontrar-nos com o que somos.